Pular para o conteúdo principal

O homem; as viagens, Carlos Drummond de Andrade

O homem, bicho da Terra tão pequeno
chateia-se na Terra
lugar de muita miséria e pouca diversão,
faz um foguete, uma cápsula, um módulo
toca para a Lua
desce cauteloso na Lua
pisa na Lua
planta bandeirola na Lua
experimenta a Lua
coloniza a Lua
civiliza a Lua
humaniza a Lua.

Lua humanizada: tão igual à Terra.
O homem chateia-se na Lua.
Vamos para Marte — ordena a suas máquinas.
Elas obedecem, o homem desce em Marte
pisa em Marte
experimenta
coloniza
civiliza
humaniza Marte com engenho e arte.

Marte humanizado, que lugar quadrado.
Vamos a outra parte?
Claro — diz o engenho
sofisticado e dócil.
Vamos a Vênus.
O homem põe o pé em Vênus,
vê o visto — é isto?
idem
idem
idem.

O homem funde a cuca se não for a Júpiter
proclamar justiça junto com injustiça
repetir a fossa
repetir o inquieto
repetitório.

Outros planetas restam para outras colônias.
O espaço todo vira Terra-a-terra.
O homem chega ao Sol ou dá uma volta
só para tever?
Não-vê que ele inventa
roupa insiderável de viver no Sol.
Põe o pé e:
mas que chato é o Sol, falso touro
espanhol domado.

Restam outros sistemas fora
do solar a col-
onizar.
Ao acabarem todos
só resta ao homem
(estará equipado?)
a dificílima dangerosíssima viagem
de si a si mesmo:
pôr o pé no chão
do seu coração
experimentar
colonizar
civilizar
humanizar
o homem
descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas
a perene, insuspeitada alegria
de con-viver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia mais: Saudade para quê?, Serginho Groisman

Existem jovens que sentem nostalgia por não ter sido jovens em gerações passadas. Saudade do enfrentamento com os militares dos anos 70, da organização estudantil nas ruas, do sonho socialista – comunista – anarquista – marxista – leninista. Ter saudade da ditadura é ter saudade de conhecer a tortura, o medo, falta de liberdade e a morte. Ser jovem naquela época era coexistir com a morte, ver os amigos ser tirados das salas de aula para o pau-de-arara, para o choque elétrico, para as humilhações. Da mesma forma, quem sente nostalgia dos anos 80 se esquece do dogmatismo limitante das tribos daqueles tempos, fossem punks, góticos ou metaleiros. Hoje, é a vez dos playboys – patricinhas – cybermanos – junkies, das raves, do crack, da segurança dos shoppings e do Beira-Mar. Um cenário que pode parecer aborrecido ou irritante para muita gente que tem uma visão romântica de outras décadas. Mas nada melhor que a liberdade que temos hoje para saber qual é a real de uma juventude e de uma soci…

A torre

Eu vejo uma bíblia como a base da torre, sob o chão. E depois, sem perceber, vou colocando alguns outros livros em cima dela, só para depois pegar e arrumar direito. Mas acabo não arrumando e deixando tudo lá, sem perceber. E assim vai sendo formada uma torre com livros e mais livros. A bíblia é forte o suficiente para suportar tudo o que é colocado sobre ela enquanto a torre vai crescendo cada vez mais. A bíblia é imbatível, inabalável. Porém, com o passar do tempo passo a não vê-la mais, de tão alta que a torre está: posso tocar o céu com ela, ser mais alta que a maioria das coisas ao meu redor, o que me dá a ideia de poder tudo neste mundo. E assim, vou deixando a bíblia lá, no finalzinho. Mas ela continua sendo a base, a minha base. De repente a torre está tão grande que começa a pender para os lados e me preocupo. Estava tudo tão bonito! Tão bem! O que deu errado? Busco todas as forças que tenho para sustentar a torre, mas as coisas estão desabando sobre mim e ao meu redor. Então…

Pelo time

Hoje o Brasil acordou chocado, olhos chorosos e sorrisos esquecidos após o acontecimento que esteve longe do nosso alcance e, por vezes, do nosso entendimento. Por que isso aconteceu? Por que algo tão cruel depois de uma felicidade tão grande e compartilhada? O fato é que não sabemos a resposta, mas a tragédia aconteceu. E agora? O que fazer?
Estamos chocados com o triste episódio da Chapecoense. Em um momento sorrisos e no outro lágrimas. Como algo pode mudar tão de repente? Isso só nos lembra o quanto somos pequenos diante desse universo infinito. Não podemos mudar o passado ou descobrir o futuro, mas somos capazes de ter compaixão com o outro, com aqueles 76 ou talvez mais. Com os que, por um milagre, sobreviveram.
Agora, deixo os meus sentimentos, a minha solidariedade e, acima de tudo, a minha oração. Eles foram determinados em todo o caminho que percorreram, de baixo até o topo. E hoje descansam, sorriem e se solidarizam no céu. Que Deus possa recebê-los de braços abertos, se…