Pular para o conteúdo principal

Desculpa, amor



É verdade, não sei falar direito ou dizer o que há em mim. Não sei me explicar, na verdade, não sei nem o que se passa aqui dentro. Ultimamente tenho perdido até o jeito de escrever, não sei mais e nem sei por quê.

É verdade, eu sei dos meus defeitos e você os conhece também, tão bem como nenhum outro. Sou calada, as vezes até fechada se estou triste e se estou mal contigo não consigo me animar pra ninguém mais. Meus pensamentos são como redemunhos, vêm e se vão, voltam e atormentam tudo. Tenho muitas perguntas sempre e quase nunca obtenho respostas. As vezes nem me dou ao trabalho de procurá-las. Admito, tenho medo de revelar meus pensamentos às pessoas e por isso antes eu tentava passá-los para o papel - 'dom' que venho perdendo cada dia mais -, mas você sempre os percebe, sempre sabe como estou, se estou bem ou mal, se tenho dúvidas ou certezas. Não importa se tento me esconder, você consegue me achar lá no fundo, bem no cantinho onde ninguém jamais ousaria me procurar. E eu até agradeço por isso, agradeço de verdade, pois é importante pra mim. Não tenho tanta atitude quanto você, nem a cabeça tão erguida, nem o coração tão forte. Sou tão fraca que sei que isso te dá raiva, sou tão calada que as vezes você pode ficar de saco cheio, tento andar tanto para o lado contrário à guerra que você pode me chamar de covarde. 

É verdade, não gosto que as pessoas fiquem com raiva de mim ou fiquem desapontadas.

É verdade, eu deixo tantas vezes a minha vontade para fazer a do outro, vou aonde não quero e as vezes até falo o que não penso. Ou deixo de falar o que penso. Ou saio. Sinto muito, mesmo. Me desculpa por isso.

É verdade, tenho tantos erros em mim que isso me deixa pra baixo, não sou tão cabeça erguida, não falo tão alto e quando grito, eu choro também. Sinto raiva sim, mas minha garganta de repente trava e fico por aí mesmo e corro para aquele lugar em que você foi tantas vezes me buscar. Naquele cantinho escuro.

É verdade, eu peço desculpas sinceramente. Sei que dizer que vou tentar mudar, tentar ser mais como você, mais forte, não significa que eu vá conseguir mudar, ter mais atitude ou falar mais. Desculpa se te faço sentir inútil, se não sei o que fazer. Desculpa se fico calada ao telefone, chorando em silêncio enquanto seu silêncio do outro lado machuca meu coração. Desculpa se não sou como você gostaria, se meus erros te deixam mal. Eu não gosto disso, não me faz bem ver que você não está bem e, principalmente, não está bem por minha causa. Por isso as vezes acho que você estaria bem melhor se não estivesse me carregando nas costas, como um peso a ser suportado. Desculpa se só sei pedir desculpas. 

É verdade, eu te amo. Sei que parece que não, sei lá se parece que sim... Desculpa se escuto tanto os outros e você pode achar que escuto tão pouco você. Desculpa, se te amo, se falei com você naquele dia, se te faço sofrer. Desculpa se, mais uma vez, te peço desculpas pelo meu mal jeito, a minha falta de jeito. Desculpa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia mais: Saudade para quê?, Serginho Groisman

Existem jovens que sentem nostalgia por não ter sido jovens em gerações passadas. Saudade do enfrentamento com os militares dos anos 70, da organização estudantil nas ruas, do sonho socialista – comunista – anarquista – marxista – leninista. Ter saudade da ditadura é ter saudade de conhecer a tortura, o medo, falta de liberdade e a morte. Ser jovem naquela época era coexistir com a morte, ver os amigos ser tirados das salas de aula para o pau-de-arara, para o choque elétrico, para as humilhações. Da mesma forma, quem sente nostalgia dos anos 80 se esquece do dogmatismo limitante das tribos daqueles tempos, fossem punks, góticos ou metaleiros. Hoje, é a vez dos playboys – patricinhas – cybermanos – junkies, das raves, do crack, da segurança dos shoppings e do Beira-Mar. Um cenário que pode parecer aborrecido ou irritante para muita gente que tem uma visão romântica de outras décadas. Mas nada melhor que a liberdade que temos hoje para saber qual é a real de uma juventude e de uma soci…

O sonho impossível

Muitas sonham com aquele vestido. Eu mesma já sonhei. A porta de madeira, a melodia simples e serena, o dia apressado, o medo, o passo entrando, os olhos me olhando, as flores nas minhas mãos, o véu arrastando no chão... e, finalmente, meu pai entregando minha mão ao meu esposo.
Muitas sonham com o dia do casamento, mas ele, na maioria das vezes, não passa disso. Um sonho. Um sonho impossível. Meu pai não é um pai de verdade e nós dois juntos somos tão estranhos um com o outro como qualquer estranho que se aproxime. Talvez, mais estranhos do que isso, afinal muita história por trás nos lembra quem realmente somos e o que fizemos com as pessoas que amávamos.
Meu noivo está lá, ao lado do padre, me esperando. Lágrimas descem dos meus olhos, mas é de felicidade. Aquele momento é perfeito e único. O único momento perfeito do casamento, na verdade. Depois disso, as brigas, as raivas, os problemas, os defeitos e os excessos estragam, corroem e nos prendem, e o casamento se torna um peso e os …

Filmes que quero assistir (por causa do trailer)

Eu gosto muito de assistir aos trailers e descobrir novos filmes para assistir e, como achei alguns bem interessantes, compartilharei com vocês. Não está na ordem de preferência dos trailers. 
1. A Bela e a Fera Essa é uma adaptação do meu clássico favorito das princesas e, com Emma Watson, acho que vai ser ótimo! Espero superar minhas expectativas que estão bem altas! 

2. Passageiros Sempre gostei de ficção científica e com Jennifer Lawrence no elenco, bom filme é garantido! Gostei do trailer e estou ansiosa.


3. Minha mãe é uma peça 2
Esse é o nacional mais esperado, por mim pelo menos, o primeiro filme é ótimo e esse acho que vai ser bom também.


4. Rogue One: Uma história de Star Wars
Assistam a esse trailer! Meu Deus, filmes de Star Wars são bons demais!! (E Darth Vader ainda vai aparecer?)


5. Até o último homem
Confesso, já assisti a esse trailer centenas de vezes, ele parece ser um daqueles filmes para balançar nosso emocional e psicológico e fazermos diversas perguntas sobre nós mes…