Pular para o conteúdo principal

Mas todo mundo tá na rua...



Lá pelas tantas da noite, minha mãe me chamava aos gritos "Menina! Venha simbora que já ta tarde!" E lá se via eu, suada, sem a cabeça do dedo do pé, os cabelos mais bagunçados do que os brinquedos na cama, correndo para chegar logo na mamãe e pedir "Mamãe! Mas todo mundo ta na rua! Deixe eu brincar mais!" e ela dizia só mais um pouco. E assim, eu voltava pra rua, as crianças das redondezas todas unidas, jogando rouba-bandeira que na verdade era "roba-bandeira", garrafão, jogava bola (mais chutando as canelas do que a própria bola), bila etc. 

Terminava o dia, a garganta doía de tando gritar "Aqui aqui aqui!!" e a mãe mandava ir tomar banho. Meu Deus! Era horrível! Cansada e toda dolorida da correria e eu ainda tinha que tomar banho?! Onde já se viu? Mamãe, não vou. Ah vai sim. Naaaaaam!! Isso não existe, não tem pra quê. Bom, tudo bem. Eu tinha que ir, era obediente, embora fosse totalmente contra a minha vontade. E começa a arder, a feridinha que na hora nem sentia! E para limpar a cabeça do dedo que nem já estava mais lá? Pega uma barra de sabão que ainda não foi usada e passa na ferida! Meu Deus, que tipo de dor era aquela? Isso porque não conhecia as dores que viriam quando crescesse. 

Chegava a hora de dormir e adormecia na hora, pedia a benção da mãe e rezava pro Pai e pronto! Não existe época mais feliz! Hora de estudar? Vá fazer as lições de casa! Depois você brinca. E lá ia eu, fazer tudo pra juntar a turma de novo e viver tudo de novo e se arranhar todinha e se sujar e... sorrir! Eu tinha mais amigos do que muita criança hoje tem, mesmo com todas as suas redes sociais. Minhas redes naquela época eram outras! Era só pedir alguém para balançar ela lá no alto e soltar depois e se sentir livre! "Menina! Tu cai daí!" O quê mamãe? Não dá pra ouvir! Agora é minha vez! E assim ia...

Quem não gosta da infância? E como me ensinava... Era o jogo em que eu aprendia sobre perder e ganhar, era nas equipes que eu aprendia a ajudar o outro, era nas defesas e ataques que eu aprendia sobre estratégias. E quem não brinca? Ou não pode brincar? E como é importante a brincadeira! 
E lá ia eu, de noite brincar na rua com toda a redondeza de criança! 

"Menina! Venha simbora que já ta tarde!"

Mas todo mundo ta na rua... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia mais: Saudade para quê?, Serginho Groisman

Existem jovens que sentem nostalgia por não ter sido jovens em gerações passadas. Saudade do enfrentamento com os militares dos anos 70, da organização estudantil nas ruas, do sonho socialista – comunista – anarquista – marxista – leninista. Ter saudade da ditadura é ter saudade de conhecer a tortura, o medo, falta de liberdade e a morte. Ser jovem naquela época era coexistir com a morte, ver os amigos ser tirados das salas de aula para o pau-de-arara, para o choque elétrico, para as humilhações. Da mesma forma, quem sente nostalgia dos anos 80 se esquece do dogmatismo limitante das tribos daqueles tempos, fossem punks, góticos ou metaleiros. Hoje, é a vez dos playboys – patricinhas – cybermanos – junkies, das raves, do crack, da segurança dos shoppings e do Beira-Mar. Um cenário que pode parecer aborrecido ou irritante para muita gente que tem uma visão romântica de outras décadas. Mas nada melhor que a liberdade que temos hoje para saber qual é a real de uma juventude e de uma soci…

A torre

Eu vejo uma bíblia como a base da torre, sob o chão. E depois, sem perceber, vou colocando alguns outros livros em cima dela, só para depois pegar e arrumar direito. Mas acabo não arrumando e deixando tudo lá, sem perceber. E assim vai sendo formada uma torre com livros e mais livros. A bíblia é forte o suficiente para suportar tudo o que é colocado sobre ela enquanto a torre vai crescendo cada vez mais. A bíblia é imbatível, inabalável. Porém, com o passar do tempo passo a não vê-la mais, de tão alta que a torre está: posso tocar o céu com ela, ser mais alta que a maioria das coisas ao meu redor, o que me dá a ideia de poder tudo neste mundo. E assim, vou deixando a bíblia lá, no finalzinho. Mas ela continua sendo a base, a minha base. De repente a torre está tão grande que começa a pender para os lados e me preocupo. Estava tudo tão bonito! Tão bem! O que deu errado? Busco todas as forças que tenho para sustentar a torre, mas as coisas estão desabando sobre mim e ao meu redor. Então…

Pelo time

Hoje o Brasil acordou chocado, olhos chorosos e sorrisos esquecidos após o acontecimento que esteve longe do nosso alcance e, por vezes, do nosso entendimento. Por que isso aconteceu? Por que algo tão cruel depois de uma felicidade tão grande e compartilhada? O fato é que não sabemos a resposta, mas a tragédia aconteceu. E agora? O que fazer?
Estamos chocados com o triste episódio da Chapecoense. Em um momento sorrisos e no outro lágrimas. Como algo pode mudar tão de repente? Isso só nos lembra o quanto somos pequenos diante desse universo infinito. Não podemos mudar o passado ou descobrir o futuro, mas somos capazes de ter compaixão com o outro, com aqueles 76 ou talvez mais. Com os que, por um milagre, sobreviveram.
Agora, deixo os meus sentimentos, a minha solidariedade e, acima de tudo, a minha oração. Eles foram determinados em todo o caminho que percorreram, de baixo até o topo. E hoje descansam, sorriem e se solidarizam no céu. Que Deus possa recebê-los de braços abertos, se…