Pular para o conteúdo principal

Quem eu sou


      
      
      Estou em todos os lugares, transitando entre pessoas do mundo inteiro. Não, eu não sou o egoísmo ou a fofoca, mas vejo tudo e ouço mais ainda. Poderia sim trabalhar num censo internacional: sei de tudo. Matéria do dia: CAPITALISMO DESTRÓI RELAÇÕES ENTRE PAÍSES! Não. Isso não é novidade e eu não conheço nada novo que não já tenha sido conhecido um dia. Eu não seria, portanto, o jornalismo e nem ligo para isso, na verdade.
      O amor está em alta! Não! Baixou. Caiu caiu caiu. O que é mesmo o amor? Ah! Pô, ta ultrapassado. Cê tá véia hein? Eu não seria a economia, não tenho paciência o suficiente para tal cargo, embora ela insista em interferir na minha existência.
          Ih! Caramba! Estou perdido. Que hashtag eu seria? Quantas pessoas já curtiram minha página? Estados Unidos, Irã, Palestina, Rússia, Isra... Shhhhh! (sussurro: não posso nem citar esse nome! Estou proibido de entrar lá em 2014!) Mas vamos ser realistas né? Nem nesse ano nem nos próximos. Enquanto as infelizes da economia e da política me manterem acorrentado em seus porões, vazia e inútil, eu não posso existir. Censurado e como o amor... ULTRAPASSADO.
       É ridículo! SOCORRO! SOCORRO! O que estou fazendo aqui? Não posso estar aqui! Me debato sobre a escuridão, a agonia invade a minha consciência, eu grito grito grito. Eu não deveria estar aqui. EU SOU IMPORTANTE! Por favor... fraco, fraco, estou fraco e sem sentido. Perdido perdido. 
           Por favor...
           Eu sou a paz. E não estou em lugar algum. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia mais: Saudade para quê?, Serginho Groisman

Existem jovens que sentem nostalgia por não ter sido jovens em gerações passadas. Saudade do enfrentamento com os militares dos anos 70, da organização estudantil nas ruas, do sonho socialista – comunista – anarquista – marxista – leninista. Ter saudade da ditadura é ter saudade de conhecer a tortura, o medo, falta de liberdade e a morte. Ser jovem naquela época era coexistir com a morte, ver os amigos ser tirados das salas de aula para o pau-de-arara, para o choque elétrico, para as humilhações. Da mesma forma, quem sente nostalgia dos anos 80 se esquece do dogmatismo limitante das tribos daqueles tempos, fossem punks, góticos ou metaleiros. Hoje, é a vez dos playboys – patricinhas – cybermanos – junkies, das raves, do crack, da segurança dos shoppings e do Beira-Mar. Um cenário que pode parecer aborrecido ou irritante para muita gente que tem uma visão romântica de outras décadas. Mas nada melhor que a liberdade que temos hoje para saber qual é a real de uma juventude e de uma soci…

As coisas de antigamente

A minha rua tinha duas árvores. Uma delas ficava no quintal do meu vizinho ruim. O vizinho era ruim, ou melhor, ainda é ruim, não a árvore. Bem, o sol sempre nascia atrás dela e de frente para a porta da minha casa e a gente nunca tinha coragem de levantar pra ver o por do sol. Por sorte, o sol se punha na parte de trás da minha casa e esse a gente sempre olhava da varanda que ainda tem no meu quarto. Bem, não no meu quarto, mas no quarto que era meu. Mas tudo bem, agora ele é ocupado por uma pessoa legal, ou pelo menos, ele parece ser legal, algumas músicas das quais escuta pelo menos são.
O fato é que agora a árvore do meu vizinho não está mais lá: o terreno nem é mais do meu vizinho ruim e a árvore foi derrubada para que o espaço no qual ela ocupava fosse agora transformado em garagem para carros. Os carros agora ocupam o lugar. E aquela árvore foi transformada em enfeite. Algumas partes dela, na verdade, porque o resto foi jogado no lixo. E também não dá mais para ver o sol nasce…

Mas todo mundo tá na rua...

Lá pelas tantas da noite, minha mãe me chamava aos gritos "Menina! Venha simbora que já ta tarde!" E lá se via eu, suada, sem a cabeça do dedo do pé, os cabelos mais bagunçados do que os brinquedos na cama, correndo para chegar logo na mamãe e pedir "Mamãe! Mas todo mundo ta na rua! Deixe eu brincar mais!" e ela dizia só mais um pouco. E assim, eu voltava pra rua, as crianças das redondezas todas unidas, jogando rouba-bandeira que na verdade era "roba-bandeira", garrafão, jogava bola (mais chutando as canelas do que a própria bola), bila etc. 

Terminava o dia, a garganta doía de tando gritar "Aqui aqui aqui!!" e a mãe mandava ir tomar banho. Meu Deus! Era horrível! Cansada e toda dolorida da correria e eu ainda tinha que tomar banho?! Onde já se viu? Mamãe, não vou. Ah vai sim. Naaaaaam!! Isso não existe, não tem pra quê. Bom, tudo bem. Eu tinha que ir, era obediente, embora fosse totalmente contra a minha vontade. E começa a arder, a feridinha q…